terça-feira, junho 21, 2005

Crónicas de Madrid IV

Demasiado tarde, Sofia. A feira era Domingo de manhä e, nessa altura, dormia eu o sono dos justos, depois da noitada no Pachá! Paciência. Fica para um destes fins de semana em que cá volte.
E por falar em voltar ... eu bem dizia que näo voltava a 24. Consegui mudar o vôo e só volto a 25. Grande noite de 6a feira que vai ser! Mas como näo pretendo ir à cama, nem prolonguei no Hotel. Fica a bagagem no quarto de um dos meus amigos brasileiros.

Domingo

À tarde. Era imperdoável, para quem gosta da fiesta como eu, perder. Monumental de Las Ventas. 6 toiros. Toureiros medianos, touros com bom porte mas nem sempre bravos. Algumas chiquelinas de bom recorte. O último touro fez o pleno. Estocada até ao punho à primeira, menos de 5 segundos para caír morto. Praça (estava meia) em pé, lenços brancos a pedir orelha (näo deram, pareceu-me bem, que a lide näo foi täo boa que tivesse valido) e a merda da banda lá se dignou tocar (sacanas, estiveram a tarde inteira calados ... e corrida sem paso doble näo é a mesma coisa). Ah ... e as corridas aqui säo mais baratas do que em Portugal: meio da bancada, zona de sombra (com todos os toiros lidados ali mesmo à frente) por €20.
À noite lá fomos a outra tasca. Tortilla de Bacalhau (boa), tortillha de cogumelos e gambas (boa) e uma sangria de perder o tino (muito boa). Como segue feliz a vida em Madrid!


Segunda

Nada de especial. Dia muito intenso de trabalho. Nada mais que umas tapas e mais sangria. Voltámos cedo: aí pela 1h da manhä.

AR

Comments:
Fiesta Brava, qual Fiesta Brava, pá? Diz antes, Fiesta Selvajem onde é espicaçado e torturado um animal que tem tanto direito à vida como tu!
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?