segunda-feira, outubro 03, 2005

alegria

Não, não é uma referência aos resultados da Liga Betadine ou lá o que é. É o nome da nossa Terra. Que querem? Nem toda a gente está sempre a pensar em futebol.
CC

Comments:
Enquanto o homem não abandonar a ilusão de um Deus Paternal e não assumir a tarefa de se educar a si mesmo para enfrentar a realidade, será sempre como uma criança que abandonou a casa do pai ou que foi abandonada,expulsa da casa paterna.
Só o homem livre que se libertou da autoridade paterna, divina pode crescer e perder a condição de criança dependente, magoada, rejeitada, inibida, que sente que Deus não a considera, não a ouve, não a ama, tal como não se sentiu ouvida, reconhecida, vista, aceite pelo seu pai.
Este desamor tornou-o no mais pobre dos pobres (incapaz de se dar, de se amar e de amar), por isso faz deles a sua bandeira, defender os pobres ou os não amados, reclamando junto do pai o amor que deve aos filhos. Mas, ainda que zangado, não consegue enfrentá-lo, usa a igreja, a comunidade, a política como mediadora, para expôr a sua razão, pois aterroriza-o a ideia de perder o amor de um pai,que sempre se mostrou omisso, inaudível, incapaz de lhe dar um afago, um colo, um feedback sobre a sua pessoa, algum sinal que lhe permitisse descobrir-se na relação com o o outro. Como herança ficou a estranheza da proximidade, a ilegibilidade dos sinais, o pavor de não ser gostado, de ser apontado, o sentimento de culpa de não termos agradado, por não sermos suficientemente bons.
Esta impotência, esta mágoa é o oposto do sentimento religioso, pelo que uma pergunta se impõe não será esta fé uma salvaguarda contra o regresso a uma vivência de abandono, de solidão, de dor...
 
Caro lhw,
este comentário é a particularizar ou a generalizar?
Pela parte que me toca, sim. Tenho uma fé titubeante. E acho que não quero outra fé, que esta de saber que tenho de me suster na vida e ao mesmo tempo, surpreender-me, de todas as vezes que me sinto amparada.
Não. Deus, não é uma compensação para gente mal amada. É o Amor. E se tantas vezes Ele me é oculto, os que torno próximos, não o são.
 
Caro CC,
este comentário pode ser entendido de ambas as formas.Mas, o que me parece deveras importante é fazeres uma leitura atenta ao post escrito por ti na Terra. Eu sei que o tempo já vai longo, mas com facilidade irás constatar a tua incoerência e falta de discernimento para reconheceres a tua relação com o divino, com o amor fraternal e o teu entusiasmo, ou a falta dele perante a vida. Resta-me ainda dizer que a imagem do post,remete-nos para uma vivência de dor, fardo, inferno existencial, escuridão, para o amor só se for de abenegação, de sacrifício e não de luz, inspiração, alegria. Um homem preso a uma cruz que o limita, condiciona, sufoca-o e não o deixa suster e surpreender pela vida. Pelo contrário, é mais um sentir ao estilo do Marvin:"Wearily on I go, pain and misery my only companions. And vast intelligence, of course.And infinite sorrow.I despise you all.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Enviar um comentário

<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?